Gostou? Compartilhe! :)

O mercado de trabalho está ainda com certas dificuldades para contratação, especialmente para os profissionais com mais idade e experiência. No Brasil, registra mais de 12 milhões de desempregados.

Com a reforma da Previdência e a reforma da Lei Trabalhista, há novas mudanças e a previsão é do brasileiro trabalhar por mais anos e se aposentar com mais idade. Nesse cenário, profissionais com mais de 50 anos precisam investir em dobro em qualificação, rede de contatos e avaliação do mercado no qual são qualificados, para conseguir trabalho. O site Maturi Jobs surgiu com foco nesse grupo.

Atualmente, são mais de 5 mil pessoas no país cadastradas na plataforma, que começa a testar o Freela 50+ para que as pessoas possam, além de buscar trabalho no site, oferecer serviços pontuais para empresas e pessoas físicas. O empreendedor do MaturiJobs percebeu que o grande problema era a questão da falta de oportunidade para a idade e viu nisso um negócio, apesar de saber da enorme dificuldade de quebrar barreiras.

O site funciona sem nenhum custo para quem procura por uma vaga. Basta se candidatar gratuitamente e esperar pelo contato da empresa. Há um ano no ar, a Maturi Jobs já publicou mais de 300 vagas, e ao menos 100 pessoas já obtiveram recolocação no mercado de trabalho.

Mito da resistência

Entre os pontos que elevam a dificuldade de contratação para essa faixa etária está o mito de que os mais experientes têm mais resistência a mudanças. Entretanto, para quem estuda esse segmento, não é bem assim.

“Não se pode generalizar, mas é fato que os mais velhos foram educados para trabalhar em um mundo muito diferente do que estamos vendo. Mesmo assim, os 50+ estão entrando cada vez mais nessa nova economia e na tecnologia, deixando preconceitos e resistências de lado, até porque já perceberam que se não mudarem eles ficam para trás mesmo e não conseguem oportunidades. Por isso, estão buscando cada vez mais atualização”, comenta o empresário Mórris Litvak.


Fonte: ZH

Imagem em destaque: Foto/Reprodução internet